terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Mariologia: plano de curso

Apresento aqui os elementos básicos de um Plano de Curso de Mariologia para a graduação, que utilizo nas Faculdades de Teologia onde atuo. Se você tiver outra proposta, partilhe conosco neste blog.
Ementa
O curso de Mariologia oferece aos alunos uma visão ampla e articulada sobre a pessoa de Maria, a mãe de Jesus, no horizonte da cristologia e da eclesiologia. Reflete sobre a figura de Maria na bíblia, no dogma e no culto. Apresenta dados para enriquecer o diálogo ecumênico e a prática pastoral, articulados com a espiritualidade.

Objetivos centrais
Identificar os elementos bíblico-teológicos de Maria nos evangelhos de Lucas e João.
Compreender os dogmas mariais da maternidade divina, virgindade, imaculada conceição e assunção no contexto em que foram tematizados e reinterpretá-los na teologia contemporânea.
Justificar o lugar de Maria no culto cristão, no horizonte da comunhão dos santos, apontando sua legitimidade e limites.
Compreender teologicamente o fenômeno das Aparições.

Unidades de Ensino-Aprendizagem
1. Introdução
Perguntas sobre Maria, advindas da pastoral, da teologia ou da existência
Breve história da mariologia/marialogia
Para além do maximalismo: tarefas da mariologia

2. Maria na Sagrada Escritura
Maria no Antigo Testamento?
A nova família de Jesus: o enfoque de Marcos e Mateus
Perfeita discípula e peregrina: Maria em Lucas
A mãe da comunidade, no quarto evangelho
As interpretações de Apocalipse 12.

3. Os dogmas marianos
Passagem da bíblia ao dogma
Problemática teológico-pastoral dos dogmas
Maria, Mãe do filho de Deus encarnado
A polêmica sobre a Virgindade de Maria
Maria, toda de Deus: Imaculada
A glorificação de Maria: Assunção

4. Maria na devoção e na liturgia
Principais manifestações devocionais a Maria
O fundamento: a comunhão dos santos
Orientações teológico-pastorais

5. Contribuições recentes do magistério da Igreja:
Lumen Gentium 8,
Marialis Cultus, Redemptoris Mater,
Documento de Aparecida

6. As aparições
Leitura interdisciplinar do fenômeno
Critérios de discernimento

7. Síntese: Maria nas Igrejas Cristãs

Autoria: Ir. Afonso Murad

6 comentários:

Anônimo disse...

Murad, vou olhar meu plano de curso e depois lhe retorno, se houver algo. Acho sua iniciativa muito boa. Parabéns.
Irmã Cristina

Ermindo disse...

Gostei da ideia de colocar na internet seu plano de curso de Mariologia! Em dezembro participei
do congresso em Aparecida e desde então tenho acompanhado este blogger. Felicidades, Irmão Afonso!
Pe Ermindo Rapozo - Arquidiocese de Vitória-ES.

Adilson disse...

Maria mãe de Deus
ISTA:
Deus escolheu Maria para participar de um modo especial em seu plano de salvação. Ele se dá a nós em Jesus por meio de Maria de Nazaré. Nela se realeza o grande mistério. Pela a Encarnação do seu Filho, o Pai atinge o máximo de sua ação salvadora dos homens, ao mesmo tempo em que nos dá o modelo perfeito de ser humano, que é Jesus.

Anônimo disse...

A bem-aventurança central sobre Maria teve de fazer uma ruptura drástica, abandonando os privilégios da maternidade biológica para entrar humildemente no grupo dos seguidores de Jesus. A partir dessa compreensão, a sua maternidade recebe pleno valor, reunindo a comunidade em torno de Jesus, motivando-a a fazer a sua vontade, conforme o Evangelho apresenta.
*O relato das bodas de Cana centra-se na intervenção decidida para realizar o sinal que leva à fé.
*A referência de Simeão à espada que transpassará a alma de Maria ( Lc. 2, 35) se liga à obediência da fé e deixa-se julgar pela palavra de Deus.
*A cena de Maria aos pés da cruz ( Jo. 19, 25) tematiza a hora da purificação e da passagem para o Pai; depois, o sofrimento redentor.
Em tudo isso se percebe a importância de Maria como mediadora do seguimento de Jesus. Ela com a sua obediência, com o seu testemunho real de fé, nos mostra o verdadeiro sentido de filho no Filho, Jesus Cristo Senhor nosso.

evando teologia disse...

A bem-aventurança central sobre Maria teve de fazer uma ruptura drástica, abandonando os privilégios da maternidade biológica para entrar humildemente no grupo dos seguidores de Jesus. A partir dessa compreensão, a sua maternidade recebe pleno valor, reunindo a comunidade em torno de Jesus, motivando-a a fazer a sua vontade, conforme o Evangelho apresenta.
*O relato das bodas de Cana centra-se na intervenção decidida para realizar o sinal que leva à fé.
*A referência de Simeão à espada que transpassará a alma de Maria ( Lc. 2, 35) se liga à obediência da fé e deixa-se julgar pela palavra de Deus.
*A cena de Maria aos pés da cruz ( Jo. 19, 25) tematiza a hora da purificação e da passagem para o Pai; depois, o sofrimento redentor.
Em tudo isso se percebe a importância de Maria como mediadora do seguimento de Jesus. Ela com a sua obediência, com o seu testemunho real de fé, nos mostra o verdadeiro sentido de filho no Filho, Jesus Cristo Senhor nosso.

Pensamentos disse...

Gostaria de me informar como e onde poderia fazer o curso sobre Maria.

Obrigada desde já.